Como criar um blog para a minha empresa?

Como criar um blog para a minha empresa?

Antes de começarmos a falar sobre o passo a passo de criar um blog para a sua empresa, preciso lhe dar os parabéns por tomar esta decisão. Mesmo que você ainda esteja só estudando essa possibilidade, já é sinal de que percebeu que a cabeça do seu consumidor mudou e que dar informação a ele já não é mais algo que pode ser opcional.

Dados os parabéns, já podemos ir direto ao ponto. Se você chegou aqui é porque está avaliando pelo menos uma das duas principais etapas da criação de um blog: etapa técnica e a etapa de estratégia e produção. Neste artigo abordaremos as ambas para que você tenha uma dimensão completa do que precisa ser verificado. Ao final do post, você encontrará um checklist para fazer o seu blog decolar!

Checklist - Criação de blog para empresas

Muito bem, feitas as apresentações, é hora de colocar a mão na massa. Neste artigo você irá aprender:

Não se esqueça de salvar este guia nos seus favoritos! Assim você pode consultar o passo a passo sempre que precisar 😉

Qual é o papel do blog em uma estratégia de conteúdo?

Ainda que a parte técnica da criação de um blog seja importante, precisamos falar sobre o papel de um blog dentro de uma estratégia de conteúdo. Antes de começar a fazer as instalações e outras coisas da lista de atividades técnicas, precisamos entender melhor o que um blog pode fazer pela nossa empresa.

O blog tem um papel central em uma estratégia de conteúdo, ou de marketing de conteúdo, se você preferir. É a partir dele que traçaremos as ações dos demais canais da empresa. Aqui, na MOT Digital, o nosso blog é o coração de tudo o que fazemos.  Quando falamos em derivação de conteúdo, entendemos que um assunto não precisa “nascer e morrer” em uma só plataforma. Fazer essa “multiplicação” torna o seu conteúdo mais rico e completo. Desta forma, você faz o seu conteúdo render mais sem precisar sofrer tanto.

Além disso, os seus outros canais de conteúdo precisam apontar para algum lugar. Criar engajamento no Facebook é sensacional, mas isso pode ficar ainda melhor quando você transforma seus fãs em visitantes assíduos do seu site e, com isso, aumenta as chances de eles serem seus clientes.

Sendo assim, podemos atribuir algumas funções importantes para um blog:

  1. Criação e manutenção de uma presença digital para a sua marca;
  2. Gerar leads (pessoas interessadas no que você vende);
  3. Criar e manter um bom relacionamento com os seus leitores e clientes;
  4. Educar seus futuros clientes sobre o que você vende;
  5. Tornar-se autoridade no seu nicho de mercado.

Quais são os tipos de blog que uma empresa pode ter?

Existem alguns tipos diferentes de blog. Contudo, isso não tem reflexos muito profundos nas definições técnicas e sim na estratégia que você pretende utilizar para o seu blog. No máximo, estas escolhas podem afetar os complementos (plugins) que você utilizará ou não no seu blog. Você já vai entender melhor…

Um blog pode servir para falar sobre:

  1. Estilo de vida do consumidor (sempre relacionado ao seu nicho de mercado);
  2. Atualizações do seu produto (em especial se você trabalhar com produtos digitais, como SaaS);
  3. Tirar dúvidas dos seus clientes (FAQ e atendimento ao cliente);

Vamos entender melhor estas modalidades. Lembre-se: você não precisa contar com todas essas opções no seu planejamento de conteúdo, ok?

Estilo de vida do consumidor

Este é o blog clássico. Além de permitir que você fale sobre os benefícios diretos e indiretos que o seu serviço ou produto oferece, o blog focado em estilo de vida do consumidor é perfeito para criar um bom relacionamento e mostrar a sua proposta de valor. Basicamente, este tipo de blog responde perguntas como:

  • Como o meu produto/serviço ajuda na vida do meu cliente? (Sem mencionar o produto diretamente)
  • Como eu me diferencio do meu concorrente?
  • Posso ensinar algo ou ajudar a resolver problemas dos meus clientes?

Com isso em mente você já pode estruturar um bom blog e conseguir conquistar as suas primeiras visitas! Entretanto, é muito importante ter em mente que este blog dificilmente falará dos seus produtos e serviços de forma direta. Você deverá dedicar este espaço a trabalhar questões indiretas ao seu produto ou serviço.

Atualizações do seu produto

Blogs deste tipo são bastante frequentes em empresas como Facebook, Google, Twitter, Resultados Digitais, Hubspot e outras que fornecem serviços e ferramentas online (SaaS). Nestes blogs, os conteúdos são referentes às novidades e atualizações das ferramentas online que as empresas produzem.

De certa forma, este tipo de blog atrai menos comentários do que o tipo de blog que falamos acima. Por se tratar de assuntos tipicamente técnicos, a maioria dos comentários terá dúvidas sobre os impactos das mudanças da ferramenta no dia-a-dia dos seus usuários.

Assim, se a sua empresa possui produtos que contam com atualizações e mudanças constantes, pode ser interessante considerar este tipo de blog como uma forma complementar de prestar suporte aos seus clientes.

Tirar dúvidas dos seus clientes

Apesar de ser parecido com o que acabamos de mencionar, os blogs com a função de tirar dúvidas dos clientes têm características específicas. Antes de mais nada, a aparência deles costuma ser diferente. Cada post esclarece pontos comuns de dúvida e a interação com o usuário acontece por meio de e-mails ou tickets para a equipe de atendimento ao cliente.

Se você está procurando alguma referência deste tipo de conteúdo, recomendamos fortemente que você estude as áreas de suporte e atendimento da Amazon e do PayPal. Isso não significa que é preciso começar com toda essa quantidade de conteúdo, mas sim tomar essas duas referências como bons exemplos de organização e disposição de informações.

Ao criar um espaço deste tipo, você antecipa problemas que podem acontecer e ainda reduz o número de atendimentos a serem feitos pela sua equipe de suporte.

Principais recursos técnicos para criar um blog

Feita a nossa breve revisão estratégica, é hora de falarmos de um ponto onde muita gente tem dúvidas: os aspectos técnicos da criação de um blog. Antes de começarmos, é bem importante que você leve em consideração algumas coisas. A primeira delas é o fato de que o blog da sua empresa deve estar em um domínio próprio. Isso significa fazer alguns investimentos na compra de um domínio (isso pode custar de R$ 40 a R$ 90 por ano, dependendo do domínio que você escolher) e da hospedagem (estes valores variam de acordo com a empresa que você contrata).

O segundo ponto que deve ser considerado quando falamos sobre recursos técnicos é a possibilidade de usar serviços mais básicos para administrar seu blog. Isso envolve administrar seu blog em serviços como WordPress.com, Blogspot ou WIX e vinculá-los ao seu domínio. Se optar por esta forma, você diminui custos com a hospedagem e possivelmente com um programador. Porém, terá menos flexibilidade e desempenho no seu blog.

Ok… É hora de colocarmos a mão na massa!

Escolha de um domínio

Existem algumas opções neste ponto. Se o site da sua empresa já está no ar e você gostaria de adicionar um blog ao seu arsenal de canais, esta questão já está parcialmente resolvida. Basta criar um subdomínio (blog.seusite.com.br) ou então um diretório (seusite.com.br/blog). Se você não tem muita experiência com administração de domínios, talvez seja mais simples criar um diretório e fazer a instalação do seu blog lá mesmo.

Entretanto, se você estiver utilizando plataformas como WordPress.com, Blogspot ou WIX, um subdomínio pode ser uma solução mais simples. O redirecionamento do subdomínio pode ser feito com a ajuda da equipe de suporte destas plataformas.

Caso a sua empresa ainda não tenha um site no ar e vocês estejam planejando começar com um blog, é possível fazer a compra do seu domínio no Registro.BR (para domínios .com.br ou qualquer outro terminado em.br) ou então diretamente com o seu serviço de hospedagem.

Como falamos anteriormente, o custo do seu domínio (também conhecido como endereço) pode variar entre R$ 40 e R$ 90, dependendo do tipo de domínio que você contratar. O próprio Registro.BR explica como proceder com a compra do seu endereço. Assista ao vídeo abaixo:

Escolha de uma hospedagem

Se você comprou seu domínio diretamente com o Registro.BR ou em outro registrar (entidade responsável pelos registros de endereços de internet), será necessário fazer as vinculações de DNS da sua hospedagem no painel de administração de domínios do seu registrar. Não se preocupe, a equipe de suporte da sua hospedagem poderá ajudar nesta etapa.

Existe uma infinidade de serviços de hospedagem disponíveis e, com isso, a variedade de preços de mensalidade é igualmente grande. Entretanto, é preciso analisar a relação custo benefício. De nada adianta um serviço extremamente barato que não dá garantias de segurança de dados, robustez para que os seus visitantes possam acessar o site simultaneamente, e o mais importante: suporte.

Quando você for escolher um serviço de hospedagem, fique atento a estes três pontos que acabamos de comentar. Procure conversar com amigos que já utilizam algum serviço e peça opiniões. O ReclameAqui também pode ser um termômetro interessante de quais serviços são mais confiáveis.

Escolha de Content Management System

Apesar de o nome parecer complicado, o Content Management System nada mais é do que a plataforma pela qual você irá administrar, editar e publicar os conteúdos do seu blog. Assim como os serviços de hospedagem, existem várias opções que podem ser utilizadas. Nós já citamos três das principais utilizadas hoje em dia: WordPress.com, Blogspot e WIX.

Porém, existe uma quarta opção, que sem dúvida é a mais poderosa e robusta de todas elas: o WordPress.org – também conhecido como WordPress self-hosted. A grande diferença desta plataforma para as outras três é que você tem controle total de todos os aspectos do seu blog e ainda pode fazer dele algo mais completo.

Fazer a instalação do WordPress self-hosted na sua hospedagem é simples. Muitos serviços de hospedagem oferecem a instalação em um clique. Basta acessar o painel de administração da sua hospedagem para fazer isso. Veja como fazer isso em um serviço de hospedagem:

Caso o seu serviço de hospedagem não ofereça esse recurso e você tenha uma equipe de TI ou um programador disponível para esta tarefa, não hesite em pedir ajuda! Contar com esta versão do WordPress é de fato uma vantagem competitiva bastante interessante.

O WordPress self-hosted é a maior plataforma de gestão de conteúdos do mundo. Com ele você pode até mesmo ter a sua própria loja virtual – basta usar os plugins corretos. Desta forma, fica aqui a nossa total e completa recomendação desta plataforma! Aliás, toda a MOT Digital é gerenciada pelo WordPress (dos posts no blog até os cursos online).

Vejamos a seguir alguns plugins (complementos) que podem ser interessantes para deixar o seu blog em WordPress (self-hosted) ainda mais poderoso.

Plugins para complementar para o seu WordPress (CMS)

Como acabamos de comentar, a opção mais completa e flexível para ter um site, blog ou e-commerce é o WordPress (self-hosted). Essa chuva de elogios e adjetivos positivos se deve a um fato muito simples: os plugins.

Os plugins são “softwares” que funcionam como peças complementares para o seu WordPress. Dependendo dos plugins que forem adicionados, você terá um site totalmente diferente. Vejamos a seguir os principais plugins para manter um blog bem estruturado tecnicamente.

Vale fazer um aviso importante antes de começarmos a comentar a respeito dos plugins. Procure manter o menor número possível de plugins instalados no seu WordPress. Desta forma você garante que o seu blog (ou site) serão carregados rapidamente e também evita problemas com conflitos entre os próprios plugins.

Yoast SEO

Parte importante da sua estratégia de SEO é ter uma forma de verificar se o seu conteúdo está de fato otimizado para as palavras-chave que são importantes para o seu segmento de mercado. O Yoast ajuda bastante nesta tarefa, permitindo que você visualize quais pontos pode melhorar e quais já estão bons. Além disso, ele cuida dos seus sitemaps e também ajuda nas taxonomias.

Akismet

Um grande inconveniente de qualquer blog são os comentários SPAM. Por isso o seu WordPress já vem com um plugin chamado Akismet. Basta seguir as instruções para ativá-lo e proteger o seu blog dos comentaristas indesejados.

Insert Headers and Footers

Em tempos de Google Analytics, Pixels do Facebook Ads, LinkedIn e outros códigos, contar com o Insert Headers and Footers é bastante importante. Por definição padrão, o WordPress utiliza o mesmo cabeçalho e rodapé para todas as páginas. Acontece que se você estiver fazendo alguma campanha ou quer verificar os resultados vindos de um artigo em particular, é necessário inserir códigos individualmente em cada página. É neste momento em que este plugin ajuda.

SumoMe

Já que falamos em campanhas, o SumoMe é uma ótima maneira de ajudar a trazer resultados. Este plugin incrivelmente versátil conta com uma variedade imensa de recursos para que você otimize suas páginas e capture mais leads para construir uma lista de e-mails super engajada. Vale a pena experimentar!

OptinMonster

Se você gostou da proposta do SumoMe, também vai se interessar pelo OptinMonster. A ideia é bastante similar, porém o OptinMonster tem recursos diferentes para apresentar os seus formulários de captura de leads. É muita coisa bacana para turbinar o seu blog 🙂

iThemes Security

Outro ponto importante que deve ser destacado é que por ser construído com código aberto, o WordPress pode sofrer tentativas de ataques. Por isso, é essencial manter tudo bem seguro para evitar surpresas desagradáveis. Esta é a tarefa do iThemes Security.

Contact Form 7

O Contact Form 7 é o plugin mais popular para criar formulários de contato para o seu site ou blog em WordPress. Além de ser muito simples de configurar, este plugin ainda pode ser integrado à sua ferramenta de e-mail marketing favorita.

W3 Total Cache

Todo blog precisa de imagens e vídeos para tornar seu conteúdo mais interessante. Acontece que as imagens e os vídeos costumam tornar as páginas mais pesadas. A missão do W3 Total Cache é ajudar a reduzir o tempo de carregamento do seu blog e assim tornar a experiência do seu leitor ainda mais agradável. Vale a pena conhecer este plugin!

WP Smush

Ainda falando sobre as imagens, outro plugin que pode ser muito útil é o WP Smush. Muitas vezes nós esquecemos de tratar as imagens e reduzi-las para um tamanho adequado para a web. É neste momento que o WP Smush salva o dia. Sempre que você subir uma nova imagem no seu blog ele irá criar uma versão reduzida e otimizada. Assim você economiza espaço na sua hospedagem e também acelera o tempo de carregamento da sua página.

OptimizePress

Se você está trabalhando com várias campanhas, precisará de uma landing page para receber os visitantes interessados na sua oferta. O OptimizePress é perfeito para isso. Além de ser muito simples de usar, o plugin possui modelos prontos para que você adapte e insira as suas próprias informações. Apesar de ser um plugin pago, é um investimento que vale a pena.

Visual Composer by WPBakery

Seguindo a linha do OptimizePress, o Visual Composer também permite que você crie páginas visualmente agradáveis com muita facilidade. Este também é um plugin pago que pode contribuir bastante para as páginas que necessitem de um visual diferente dentro do seu site ou blog.

Como definir uma estratégia para o meu blog?

No início do artigo falamos sobre alguns passos estratégicos que seriam importantes antes de pensarmos no passo a passo técnico da criação do seu blog. Pois bem, uma vez tendo feito essa reflexão, é hora de pensar em um ponto muito importante que muita gente deixa escapar na hora de criar um blog que realmente traz resultados: pense no seu blog como o centro da sua estratégia de conteúdo.

Nós falamos brevemente sobre isso neste artigo, mas vale a pena retomarmos. Quando o seu blog ocupa o centro da sua estratégia de conteúdo, você consegue criar muito mais autoridade e manter seus outros canais alimentados com mais eficiência. Pense naquelas funções que nós listamos:

  1. Criação e manutenção de uma presença digital para a sua marca;
  2. Gerar leads (pessoas interessadas no que você vende);
  3. Criar e manter um bom relacionamento com os seus leitores e clientes;
  4. Educar seus futuros clientes sobre o que você vende;
  5. Tornar-se autoridade no seu nicho de mercado.

Todas elas são movidas pela qualidade e a intensidade do conteúdo que você publica nos seus canais. Estes dois pontos são resultado de uma linha editorial bem clara e próxima daquilo que o seu público pede, aliado aos seus objetivos de negócio. Por isso é muito importante que o seu blog seja resultado de um esforço coordenado entre todas as áreas da empresa, e não só uma iniciativa ousada da equipe de marketing digital.

Você pode usar as perguntas abaixo para ajudar a construir uma linha editorial consistente:

  • Quais são os principais assuntos de interesse do nosso público-alvo?
  • Quais problemas do nosso público-alvo devemos e conseguimos ajudar a resolver?
  • Quais objetivos de negócio nosso blog ajudará a cumprir?
  • Como será a linguagem utilizada nos conteúdos que publicaremos? Como iremos expressar a personalidade da marca neste canal?
  • O que irá nos diferenciar dos nossos concorrentes?

Com isso você tem uma base bastante interessante para começar um blog que de fato trará resultados.

Preciso publicar novos artigos todos os dias?

A resposta para esta pergunta é bem simples: depende. O estudo que você fez sobre o seu público-alvo justifica publicar diariamente? O estilo de conteúdo que o seu público-alvo gostaria de ver permite publicar novos posts todos os dias? Você tem “braço” para publicar todos os dias? Se a resposta para qualquer uma dessas perguntas for “sim”, então é justificável publicar novos artigos todos os dias.

Se a proposta do seu blog é publicar artigos densos e bem elaborados, talvez você não consiga imprimir um ritmo diário de publicação. Neste caso, uma frequência semanal pode ser uma boa saída para garantir a qualidade dos seus conteúdos. Vale lembrar que o publicar em um ritmo muito acelerado não garante que a indexação dos links será feita pelo Google, já que o buscador precisa de algum tempo para capturar e indexar seus novos artigos.

Independente de publicar diariamente ou semanalmente, é importante que você tenha um planejamento e saiba quando cada conteúdo entrará no ar e a razão pela qual ele está sendo feito. Do contrário, você está só despejando informação na esperança de que alguém encontre. Para isso, é necessário ter um calendário editorial consistente.

O calendário editorial é uma excelente forma de organizar a sua produção de conteúdo. Entretanto, você não deve ficar preso a ele. Saber rever prioridades e flexibilizar novas ideias é tão importante quanto ter seu calendário bem estruturado.

Como atrair visitantes para o blog da minha empresa?

Ok. Você já escolheu domínio e hospedagem, já instalou o WordPress e organizou seu calendário editorial. Agora é hora de começar a ter visitantes no seu blog. Como fazer isso sem precisar depender da família e dos amigos?

Existem algumas formas de tornar o seu blog conhecido dentro do seu segmento de mercado. É bem provável que logo no início os seus resultados vindos diretamente do Google, ou seja, o seu tráfego de busca orgânica, não seja lá muito bom. Por isso, é importante contar com outros canais para trazer mais visitantes.

As redes sociais são um recurso muito importante para qualquer blog. Além disso, estabelecer parcerias com influenciadores e participar de outros blogs também pode ser uma saída interessante para trazer visitas para o seu blog enquanto o Google rastreia os seus conteúdos.

Vamos entender melhor cada uma dessas táticas.

Otimização para o Google

Sem dúvida o seu principal ativo em um blog são as suas visitas orgânicas. Em outras palavras, isso significa que é muito melhor contar com visitantes que chegam por vontade própria no seu conteúdo por meio de buscas no Google ou em outros buscadores. Além de ser mais barato, o visitante de tráfego orgânico costuma ser altamente interessado no que você está dizendo, uma vez que ele mesmo declarou a sua intenção quando digitou as palavras-chave.

Por isso, é muito mais importante tentar decifrar como as pessoas pensam, buscam e se comportam do que rechear um texto com palavras-chave que nem sempre serão importantes para o seu leitor. Você já sabe, mas não custa reforçar que vale muito mais a pena escrever para as pessoas e deixar que o Google faça a parte dele. Afinal de contas, quem busca pelo seu conteúdo são as pessoas e não o Google!

Escrever títulos incríveis é importante não só para trabalhar bem a sua palavra-chave, mas também para atrair a atenção do seu leitor. Acontece que existe outro elemento que nem sempre recebe a mesma atenção: a descrição. Este campo ajuda muito a aumentar a taxa de cliques (CTR) de um post e não é nem um pouco complicado de ser utilizado.

Basta olhar com mais carinho para o campo meta-description dos seus artigos e dizer para o seu leitor o que ele irá encontrar quando clicar naquele link. Nada de truques ou mágicas com palavras-chave. Seja direto, claro e facilite a vida das pessoas.

Já que tocamos no ponto “facilitar a vida”, é hora de falarmos sobre o seu sitemap e o Google Search Console. Se você está usando o plugin Yoast SEO no seu WordPress, verá que existe um campo dedicado a gerar e administrar o seu sitemap. Copie aquele o endereço indicado e cole-o no seu painel do Search Console. Isso facilitará a vida do Google quando ele for procurar pelos seus conteúdos.

O sitemap é um arquivo em XML que contém todos os links dos seus conteúdos, junto com a periodicidade com que o Google deverá fazer novas inspeções naquela página. Certifique-se de que o seu blog tenha este arquivo e de que este arquivo está indicado no Google Search Console. Isso ajudará bastante!

Redes sociais

Este é outro recurso essencial para quem está buscando novos visitantes (e leads, por que não?) para o seu blog. Usar as redes sociais para atrair pessoas para o seu blog é não só importante como obrigatório. Além de propagar seus links, você pode fidelizar seu público e conhecer novos interesses deles e assim criar conteúdos mais relevantes.

O primeiro passo para isso é mapear corretamente quais são as redes sociais mais utilizadas pelo seu público-alvo e como elas são utilizadas. Usar o Facebook, o YouTube, Instagram e o Twitter pode ser excelente, mas antes você precisa saber se o seu público está lá no momento que você imagina.

Depois de mapear os canais que você irá usar para isso, é hora de planejar o que receberá uma abordagem diferente, com mídia paga. Uma das maravilhas que as redes sociais nos permite fazer é segmentar com detalhes quais pessoas deverão ser impactadas pelo nosso conteúdo. Portanto, já comece o blog da sua empresa sabendo da necessidade de investimento em mídia paga para promoção de conteúdos em redes sociais.

“Ah, mas eu vou pagar para as pessoas lerem meu blog?”. Muita gente faz esse tipo de pergunta. Acontece que esta é só metade do processo. Se você não tem uma estratégia de captação de leads e como transformar estes leads em clientes, sim você estará pagando apenas para que leiam o seu blog. Por isso, pense além do seu blog e estruture ações que transforme visitantes em clientes!

Além de criar relacionamento com o seu público-alvo, é interessante que você considere fazer parcerias com outros blogs e influenciadores do seu segmento de mercado. Desta forma você aumenta as chances de receber backlinks. Ter bons links apontando para o seu site é uma forma inteligente de mostrar para o Google que você é uma boa referência no seu ramo.

Entretanto, não é nem um pouco recomendável comprar estes links em outros blogs. Geralmente, empresas que pedem este tipo de negociação sofrem penalizações do Google e perdem posições importantes nos resultados de busca. Entenda melhor como as penalizações por esquema de links acontecem neste texto de referência do próprio Google. Não se esqueça, comprar links nem sempre é algo que se faz com dinheiro. Muitas empresas mascaram “parcerias” com trocas de produtos ou “benefícios exclusivos” para tentar conseguir links no seu blog.

Quando você produz um bom conteúdo, que realmente contribui e ajuda as pessoas no seu segmento de mercado é natural que os links comecem a aparecer. O mesmo acontece com as parcerias. Você receberá convites para estabelecer boas conexões com outros blogs do seu segmento, da mesma forma que receberá os convites duvidosos querendo pegar carona no seu sucesso. É muito importante ter senso crítico para julgar as propostas que você irá receber. Tome cuidado!

Como saber se meu blog está trazendo resultados?

Depois de tudo que falamos neste artigo, é hora de observar seus números. Estes números estarão, especificamente, no seu Google Analytics. Os blogs são, sim, grandes geradores de resultados. Cada artigo que você publica pode gerar autoridade, leads e vendas. Tudo depende da forma que você direciona a informação e cria formas de rastrear os resultados.

Para entender melhor as métricas e KPIs importantes para entender o seu conteúdo, leia nosso artigo sobre relatórios de marketing digital. Lá, você verá alguns pontos que devem constar nas suas análises e também algumas dicas de como interpretar as informações. Portanto, não existe desculpa para não ter um bom relatório, ok?

Acontece que você só terá um fluxo de navegação entre conteúdos se tiver rastreado seus conteúdos corretamente. Além de usar o Google Analytics no seu blog, você também precisa criar “trackear”, ou seja, rastrear os seus conteúdos. Para isso, existem algumas técnicas e ferramentas que podem ajudar no processo.

A primeira e mais simples é utilizar o URL Builder do Google. Basta preencher os campos e você terá um link totalmente rastreado de acordo com o origem (utm_source), canal (utm_medium), nome da campanha (utm_campaign), palavras-chave da campanha de AdWords (utm_terms – se for o caso) e elementos de diferenciação das campanhas (utm_content). Nem todos os campos são obrigatórios e você pode preencher da maneira que for mais intuitiva para a sua análise.

Feito isso, é só copiar o link completo que foi gerado por este formulário e publicá-lo onde você quiser – anúncios de Facebook, campanhas de AdWords, ações com influenciadores e por aí vai. Mais tarde, você irá encontrar estes identificadores nos relatórios de “Aquisição”, no menu lateral. Depois, clique em Campanhas > Todas as campanhas para visualizar aqueles links rastreados que você criou.

A segunda forma de observar estes resultados também envolve o seu Google Analytics. Neste caso, iremos visualizar o fluxo de navegação dos seus visitantes com base no seu conteúdo e nos seus principais canais de acesso. Digite “Fluxo de comportamentos” na caixa de busca do menu lateral do seu Google Analytics e pronto! Você verá como a maioria dos seus visitantes navega pelo seu site e como eles se comportam.

A terceira forma de rastrear seus conteúdos e observar resultados é criar funis de metas no seu Google Analytics. Assim você estabelece quais páginas fazem parte do fluxo de leitura e conversão dos seus visitantes e pode medir a efetividade dessa ideia. Este pode ser um passo mais avançado. Por isso, não se preocupe se as coisas ficarem meio estranhas neste ponto, ok?

Agora está nas suas mãos colocar tudo isso em prática! Use o nosso checklist para facilitar as coisas 😉

Checklist - Criação de blog para empresas

Luísa Barwinski

Luísa Barwinski é fundadora da MOT Digital, empresa focada em cursos, palestras e projetos de consultoria em marketing digital. Desenvolveu estratégias online para clientes dos mais diversos setores nos últimos 10 anos. Mestre em marketing, com ênfase no comportamento do consumidor, busca compreender como as marcas podem melhorar o relacionamento com o seu público em meios digitais.

This Post Has 2 Comments

  1. Ótimo artigo, Luísa! Explicou com clareza tudo que se precisa para ter um ótimo blog/website de conteúdo. 😉

Deixe uma resposta

Close Menu