5 maneiras de medir e otimizar o tráfego do seu site

Sexta-feira, quase seis horas da tarde e seu chefe acabou de chamar para uma reunião. Quando você chega à sala, ele olha para você e pergunta: “Como está a nossa audiência”? É bem aí que a maioria começa a suar frio e gagejar.

É muito fácil dizer que site da empresa teve um bom crescimento na audiência. O número de visitantes aumentou e, junto com ele, o total de fãs no Facebook também apresentou uma boa melhora. Acontece que essas informações não respondem o principal. Essas pessoas que tiveram contato com a sua marca têm interesse em comprar? Qual é a qualificação da sua audiência?

A sua audiência pode ser comparada a uma caixa de ovos. Você sabe quantos deles existem lá dentro, mas só descobre quais deles estão bons para uso depois que abre a caixa e verifica um a um. É claro que não é possível verificar uma a uma das suas visitas, mas você pode segmentar sua análise.

Comece pela origem

Antes de mais nada, você precisa entender de onde vieram as pessoas que chegaram ao seu site. Isso fica muito fácil de ser compreendido quando você filtra seu painel do Google Analytics (ou outra ferramenta de web analytics à sua escolha) pelas fontes de tráfego.

Lá você encontra cinco diferentes origens possíveis:

Orgânico: Esta pessoa chegou ao seu site através dos mecanismos de busca. Portanto, ela usou palavras-chave que detonam a intenção dela naquele momento (compra, informação ou casualidade). Sua missão aqui é encontrar padrões de comportamento.

Pago: Quem veio por aqui também utilizou um mecanismo de busca como o Google ou Bing. A diferença é que a sua campanha de AdWords está fazendo funcionando. É interessante, também, procurar qual foi a palavra-chave que exibiu o seu link no bloco de anúncio do buscador para refinar ainda mais a qualidade.

Social: Como você já deve ter percebido, este é o grupo dos visitantes que acessaram o seu site a partir de alguma rede social. Neste cluster estão os acessos originados no Twitter, Facebook, Pinterest e outras plataformas de redes sociais. Se você possui um blog com conteúdo interessante, verá que esta será uma das maiores fatias do seu gráfico.

Referência: O tráfego de referência tem base nos links feitos em outros sites e blogs. Esta também pode ser uma métrica que implica o bom relacionamento com os demais participantes do seu nicho e possivelmente consumidores. Lembre-se, é sempre bom agradecer 😉

Direto: Cuide muito bem desta fatia da sua audiência! Quem está na fatia de tráfego direto digitou seu endereço certinho no navegador e acessou o seu site. São pessoas que já assimilaram a sua marca e, merecem atenção. Verifique quantas delas são visitantes novos e quantas são retornantes. Isso dará uma dimensão de fidelização muito maior do que você imagina.

Este é só o início da análise do tráfego do seu site. Com essas informações na mão, é possível criar conteúdos e estratégias que apontem especificamente para essas direções. Por isso, não deixe a preguiça de explorar o Google Analytics vencer a sua curiosidade.

Bom garimpo!

Luísa Barwinski

Fundadora da MOT Digital e professora. Desenvolveu estratégias online para clientes dos mais diversos setores nos últimos 10 anos. Mestre em marketing, com ênfase no comportamento do consumidor, busca compreender como as marcas podem melhorar o relacionamento com o seu público em meios digitais.

Você também pode se interessar por

Responder