Checklist: 15 etapas para a publicação de um post

Criar conteúdos interessantes e efetivos é sempre um desafio para quem está do outro lado da tela não é? Eu sei disso, afinal de contas estou no mesmo barco que vocês 😉 Por isso, sei exatamente o que você passa toda vez que escreve um post ou publica algo nas redes sociais. Pensando nisso, decidi criar um guia de etapas que você deve observar antes de apertar aquele lindo botão chamado “Publicar”.

São 15 passos para você analisar a peça de conteúdo que está prestes a soltar na internet. Com esse checklist você tem mais chances de avaliar o seu próprio conteúdo e se sentir mais seguro quanto aos resultados que pretende alcançar com ele. Todas essas dicas são simples e não exigem nada de extraordinário. Porém, são essas coisas que fazem a diferença quando estamos prestes a publicar alguma coisa – sempre nos esquecemos do básico, não é?

Veja quais são os 15 itens que você precisa verificar antes de publicar qualquer coisa no seu blog:

 

 

1. O seu título está tão bom a ponto de ser irresistível?

Um bom título garante não só uma chance maior de ser encontrado pelo Google, como também ajuda a aumentar os cliques para ler o seu artigo ou até mesmo compartilhá-lo nas redes sociais. Lembre-se: um título irresistível é aquele que comunica ao leitor exatamente o que ele irá encontrar.

Evite ao máximo o click bait. Esta prática pode criar uma grande antipatia por parte dos seus leitores. Um click bait nada mais é do que um título sensacionalista que promete muito mais do que entrega. Geralmente é usado por portais de notícias falsas ou blogs mal intencionados. Um exemplo de click bait seria:

“Você não vai acreditar no que esta mulher fez!…”

Com certeza você já viu algo assim pela internet. Evite ao máximo este tipo de coisa. Para saber como escrever bons títulos, leia nosso artigo com 6 dicas que você pode implementar hoje mesmo na sua produção de conteúdo.

2. O primeiro parágrafo está envolvente? O leitor desistiria de ler?

O início do seu texto é importantíssimo! É ele o responsável por “prender” a atenção do seu leitor. Se a sua introdução está confusa ou não conduz seu leitor a uma linha de raciocínio lógica, com certeza ele abandonará a leitura. É claro que todo o seu texto deve estar coeso e transmitir um sentido, mas a introdução deve estar impecável.

Uma boa introdução sempre busca responder as perguntas:

  • O que?
  • Quem?
  • Como?
  • Quando?
  • Onde?
  • Por que?

Usando este pequeno roteiro, você terá um bom fio condutor para contar a sua história e construir um bom artigo. Lembre-se de verificar este ponto!

3. Você conseguiu falar tudo o que precisava neste texto? Como está a contagem de palavras?

Sabe aquele mito de que o seu texto deve ter até 500 palavras para ser indexado pelo Google? Bom, é mito mesmo. Na verdade, não existe um limite para o seu artigo. Você mesmo já deve ter lido artigos aqui no blog da MOT que têm mais de 3.000 palavras.

O importante é respeitar o mínimo de 300 palavras e saber que você tem carta branca para usar seu artigo de maneira que ele transmita claramente as ideias que você quer passar. Se isso precisar de 5.000 palavras, não tem problema. Contudo, em alguns casos pode ser recomendável distribuir este conteúdo em uma série de artigos menores – talvez dois artigos de 2.500 palavras cada um.

Por isso, fique atento ao tamanho do seu artigo. Não tenha medo de escrever! O seu público quer saber o que você tem a oferecer.

4. Este conteúdo é realmente útil e valioso?

Todo conteúdo deve oferecer algo único e de valor para o seu público. Por isso, entender o seu público-alvo é crucial. Manter um estudo de personas atualizado é a chave para que você alcance bons resultados e possa oferecer algo sob medida para quem acompanha o seu conteúdo.

Para saber se o seu conteúdo está realmente útil e valioso, responda às perguntas:

  • Este conteúdo está acessível?
  • Este conteúdo contribui para a transparência?
  • Este conteúdo está alinhado com o contexto atual (tempo real)?

Todo conteúdo precisa de contexto. Por isso, busque compreender qual é o seu. Tente pensar em quais são os principais assuntos do momento na sua área. Isso ajuda a criar o momento de tempo real 😉

 

5. Você colocou todas as fotos e vídeos que precisava? Existe algo que possa complementar?

Recursos visuais são muito importantes e facilitam a compreensão do seu público. Por isso, lembre-se de incluir fotos, ilustrações, infográficos, vídeos e o que mais for necessário para ajudar o seu artigo a se tornar uma referência sobre o tema que ele aborda.

Quanto mais rico for o seu post, mais atraente ele se torna e as chances de ele ser compartilhado aumentam também. Porém, é necessário tomar alguns cuidados, especialmente com a inserção de imagens. Procure inserir arquivos leves, com aproximadamente 700KB. Imagens com mais de 1 MB deixam o seu blog mais lento e podem comprometer a experiência do usuário no seu site.

6. Você adicionou todos os links internos relevantes?

Além das imagens, os links internos podem ser extremamente úteis para o seu post trazer bons resultados. Os links internos nada mais são do que indicações para outros conteúdos que você tenha produzido no seu blog ou site. Este tipo de link ajuda não só o seu leitor, mas também dá um caminho para que o Google possa acompanhar outros conteúdos que você tenha produzido.

Inserir links internos é uma estratégia simples para aumentar a permanência das visitas no seu blog e agregar ainda mais valor para os seus leitores. Portanto, não se esqueça de fazer essa verificação!

7. Você se lembrou de colocar todas as tags necessárias?

Dependendo da estrutura do seu blog, você precisará adicionar algumas tags. As tags tem a função de ajudar a catalogar o seu conteúdo. Por isso, se o seu blog utiliza essa estrutura, estabeleça tags fixas e que ajudem o seu leitor a encontrar mais informações sobre aquele tópico.

Assim como as hashtags, procure não exagerar! Tente limitar as suas tags a apenas cinco – escolha as mais importantes 😉

 

Baixe seu Checklist!

8. Você editou o permalink (URL) do artigo? Colocou as palavras-chave?

Se você utiliza o WordPress, já notou que existe algo chamado “permalink”. Os permalinks correspondem ao link, ou seja, a URL do seu post. Este endereço deve ser amigável. Uma URL amigável é aquela que possui informações claras depois da barra. Veja o exemplo abaixo:

www.seublog.com.br/titulo-do-post

Procure deixar esta URL o mais objetiva possível. Em alguns casos é recomendável até mesmo utilizar uma ou duas palavras. Nós já fizemos isso aqui no blog:

www.motdigital.com/kpis-metricas

Isso ajuda a reforçar as palavras-chave para as quais você pretende otimizar o seu conteúdo, bem como facilitar o acesso dos seus leitores.

9. Tudo certo com os subtítulos? Eles têm as marcações certas de h2?

Os subtítulos são elementos que ajudam bastante na leitura do seu artigo. Como você já deve ter percebido, a gente usa bastante este recurso por aqui. Inclusive, este artigo possui 15 deles e todos possuem a tag <h2>. Isso ajuda o seu leitor a “escanear” o seu texto e buscar as informações que são mais interessantes para ele.

A tag <h2> ajuda a formatar o seu texto e coloca uma hierarquia nas informações. Se você perceber, o título do seu post estará com a tag <h1>, que define uma fonte maior e mais destacada. O <h2> faz coisa semelhante, porém com um pouco menos de destaque, já que o subtítulo ou entretítulo é o segundo na hierarquia.

Para inserir estas formatações no WordPress, basta selecionar o texto que você deseja aplicar a tag <h2> e selecionar a opção “Cabeçalho 2” no menu “Parágrafo” do seu editor de texto do blog.

10. Você quebrou o texto em parágrafos mais curtos? Isso facilita a leitura!

Você também já deve ter notado que os nossos artigos sempre utilizam parágrafos curtos. A ideia é criar pequenos blocos de informação para que você consiga absorver tudo sem criar nenhum tipo de confusão. Para isso, tentamos usar frases e parágrafos curtos. Assim a sua leitura fica mais simples.

Outra razão para manter os seus parágrafos curtos, é poder dimensionar melhor o tamanho do seu texto. Quanto mais longo for o seu artigo, mais importante é o tamanho do seu parágrafo. Imagine só ler um artigo de 5.000 palavras que tem apenas 10 parágrafos! Seria algo enfadonho e você desistiria quase que imediatamente…

 

11. Revisou o texto para encontrar erros de digitação ou clareza?

A revisão é uma das etapas mais importantes da sua produção de conteúdo. Por mais que você seja do tipo que “se garante” na gramática, ninguém está livre de cometer erros de digitação. Outro problema que muita gente deixa passar batido é a falta de clareza.

Isso acontece justamente porque nós costumamos escrever como pensamos e falamos. Muitas vezes as ideias vão surgindo e nem sempre nós conseguimos criar uma ponte entre elas de uma forma que fique tudo muito claro para quem vai ler. Por isso, sempre revise!

12. Tem algum call to action?

Seus posts no blog podem ser uma excelente fonte de conversões para os seus materiais ricos. Por isso, sempre que um dos seus materiais estiver relacionado com o artigo que você está prestes a publicar, não hesite em colocar um call to action. Este elemento é muito importante porque incentiva o seu leitor a tomar uma ação.

Nós fazemos essas chamadas para ação aqui no blog. Você pode encontrar um exemplo no nosso artigo sobre o Guia Rápido de Produção de Conteúdo.

13. Este conteúdo é atemporal? Alguma parte dele é atemporal?

Isso não é obrigatório, mas se você puder criar conteúdos atemporais (evergreen content), faça. Estes conteúdos são aqueles que podem ser consumidos a qualquer momento, que não precisam de uma atualização frequente ou envelhecem rápido. Geralmente estes conteúdos aparecem em forma de guias, listas de dicas, listas de ferramentas e assim por diante.

Os conteúdos factuais, ou seja, aqueles que estão relacionados a algum evento ou notícia, funcionam bastante bem para criar momentos e utilizar o tempo real ao seu favor. É bastante recomendável equilibrar a quantidade de artigos atemporais e factuais.

14. Como este conteúdo contribui para a conclusão dos seus objetivos?

Nós falamos há pouco sobre o call to action, certo? Pois bem, tanto este recurso como os seus outros conteúdos devem ajudar a concluir os seus objetivos de negócio. Se você precisa atrair novos clientes, o seu conteúdo deve conduzir estes visitantes e leitores a áreas que os coloquem no caminho para serem clientes.

Para que isso seja feito de uma forma bastante clara, faça um planejamento e determine quais são os seus principais objetivos de negócio.  Caso você tenha alguma dúvida sobre objetivos de negócio e objetivos de marketing digital, este artigo sobre relatórios pode ajudar nesta tarefa.

15. Você se lembrou de pré-visualizar este post?

Depois de fazer tudo isso, é hora de ver como o seu post vai ficar quando estiver publicado. Para fazer isso, basta clicar no botão “Pré-visualizar” no seu WordPress. Isso ajuda a conferir se todas as imagens, vídeos, links e qualquer outro recurso que você adicionou estão funcionando corretamente.

Se estiver tudo certo, é só voltar para a tela edição e apertar o botão que você tanto esperava. Publique!

 

Gostou da lista? Então aproveite para baixar o seu checklist! Imprima este arquivo e deixe do ladinho do seu computador. Assim, sempre que você for publicar um novo artigo poderá conferir estes passos novamente 😉

 

Baixe seu Checklist!

 

 

 

Luísa Barwinski

Fundadora da MOT Digital e professora. Desenvolveu estratégias online para clientes dos mais diversos setores nos últimos 10 anos. Mestre em marketing, com ênfase no comportamento do consumidor, busca compreender como as marcas podem melhorar o relacionamento com o seu público em meios digitais.

Você também pode se interessar por

11 Comentários para “Checklist: 15 etapas para a publicação de um post”

  1. Parabéns, Luiza! Sou um seguidor recente do MOT e venho te admirando pela forma clara, detalhada e cuidadosa que você expões teus estudos, conhecimentos e experiências. É muito convergente com o que acredito sobre o compartilhamento de conhecimentos. Acredito o quanto você deve ter escutado de que publicando tantos artigos detalhados assim, ninguém precisaria da consultoria da MOT e penso exatamente o contrário. Você só tem a ganhar com essa atitude, reaprendendo sobre diversos assuntos a cada elaboração e publicação de um artigo.

    Muito inspiradora tua iniciativa com o MOT. Continue!

    Abraços,

    Carlos Heitor

    Responder

Responder